Gripe H1N1: formas de transmissão, causas, sintomas e prevenção

Saiba quais estados anteciparam a vacinação na rede pública

Em 2016, a gripe H1N1 chegou mais cedo ao Brasil. Normalmente todos os tipos de gripe, inclusive a H1N1, são bem mais comuns no inverno, mas o surto, desta vez, começou no verão. E já causou 75% dos casos de doenças respiratórias registrados no país.

Segundo o boletim do Ministério da Saúde, o número de mortes por H1N1 subiu para 102, até o dia 2 de abril. Do total, 70 mortes ocorreram no estado de São Paulo, 6 mortes no estado de Goiás, 5 mortes em Santa Catarina, 3 mortes na Bahia, 2 mortes no Ceará, 2 no estado do Pará, 2 no Rio Grande do Norte, 2 no Rio Grande do Sul, 2 em Minas Gerais, 2 no Rio de Janeiro, 2 no Mato Grosso do Sul, 1 morte no estado do Amapá, 1 no Mato Grosso e 1 morte no Distrito Federal.

O Ministério da Saúde deixou a cargo dos Estados a antecipação da campanha de vacinação, prevista para começar no dia 30, deste mês.

Em entrevista ao programa Amazônia Brasileira desta quarta-feira (13), o Infectologista, André Sales Braga, falou sobre o vírus H1N1 e a gripe Influenza tipo A.

Segundo o Infectologista, a gripe H1N1 ou Influenza tipo A, popularmente conhecida como a gripe suína, consiste em uma doença causada por uma mutação do vírus da gripe. A transmissão ocorre da mesma forma que a gripe comum, por meio de secreções respiratórias, como gotículas de saliva, tosse ou espirro: “uma pessoa infectada pode transmitir o vírus de 24 horas a 7 dias, após ser infectada. O vírus pode sobreviver de 2 a 8 horas fora do corpo”.

De acordo com o Dr. André Sales Braga, os sintomas são semelhantes aos de estado gripal, entretanto de uma forma mais grave: “Os sintomas são semelhantes aos de uma gripe qualquer, como febre alta, tosse, calafrios, dor de cabeça, dor de garganta, diarreia, congestão, etc”.

Ainda segundo o infectologista, as complicações da gripe são relacionadas às crises de insuficiência respiratória, desde uma pneumonia até o óbito do paciente.

O infectologista alerta e dá dicas de prevenção para evitar a H1N1: “a profilaxia é muito importante para evitar que o vírus se propague, outro fator importante é a hidratação, para se evitar o acúmulo de secreção”.

Outras dicas importantes são:

– Lave sempre as mãos com água e sabão e evite levar as mãos ao rosto e, principalmente, à boca;

mãos
– Esterilize as mãos, quando não puder lavá-las, para isso, carregue o álcool gel consigo;
– Evite manter contato muito próximo com uma pessoa que esteja infectada;
– Não compartilhe utensílios de uso pessoal, como toalhas, copos, talheres e travesseiros;
– Mantenha hábitos saudáveis, e isso significa se alimentar bem, fazer exercícios e se manter hidratado;

agua
– Evite frequentar locais fechados ou com muitas pessoas;
– Caso ache necessário, utilize máscara para se proteger de gotículas infectadas que possam estar no ar;
– Vacine-se.
hidrataçao-300x239
Este último quesito é muito importante. A campanha de vacinação contra a gripe, na rede pública, para os grupos prioritários, começa dia 30 de abril e vai até dia 20 de maio, entretanto alguns estados já anteciparam a vacinação. As vacinas da rede pública são trivalentes e protegem contra os vírus H1N1, H3N2 e o tipo B. Dentre os grupos que serão vacinados na rede pública estão crianças de 6 meses a 5 anos, idosos, gestantes, pessoas portadoras de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade, profissionais da saúde e povos indígenas.

Em clínicas particulares, a vacina trivalente também já está disponível. Já a vacina tetravalente que protege contra o H1N1, o H3N2, e duas cepas da Influenza B, ainda está sendo distribuída.

Os estados que anteciparam a vacinação e as datas são:
– Alagoas – Em Maceió, o início da vacinação será dia 25 de abril e nos demais municípios, à medida que os lotes de vacina forem entregues;
– Amapá – Em Macapá, a vacinação iniciou dia 8 de abril;
– Distrito Federal – início dia 25 de abril para crianças de 6 meses a 5 anos e gestantes e dia 30 de abril para os demais grupos prioritários.
– Goiás – iniciou dia 12 de abril em Goiânia e Anápolis e iniciará dia 18 de abril, nos demais municípios;
– Rio Grande do Sul – início dia 25 de abril;
– Roraima – início dia 18 de abril;
– Santa Catarina – início dia 25 de abril;
– São Paulo – iniciou dia 4 de abril para os profissionais da saúde, dia 11 de abril para crianças de 6 meses a 5 anos, idosos e gestantes e dia 18 de abril para os pacientes com doenças crônicas e demais grupos.

EBC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *