Prefeito de Praia Grande desabafa na web e faz apelo por mais segurança

Crime aconteceu duas vezes no mesmo local em Praia Grande, no litoral de SP (Foto: Mariane Rossi/G1

Alberto Mourão (PSDB) afirmou que região tem ‘policiamento defasado’. Dois turistas foram assassinados durante assaltos na noite de Natal.

O prefeito Alberto Mourão (PSDB), de Praia Grande, no litoral de São Paulo, fez um desabafo por meio de sua conta oficial no Facebook, pedindo mais segurança por parte do Estado. De acordo com Mourão, a Região Metropolitana da Baixada Santista “está com um policiamento defasado”.

Na noite de Natal, Praia Grande registrou dois crimes violentos contra turistas. A professora Maria da Consolação Duarte, de 65 anos, foi assassinada durante um assalto, enquanto estava parada em um semáforo, no bairro Ocian.

Poucas horas depois, no mesmo local, Pedro Henrique Tecedor, de 42 anos, também foi baleado durante uma tentativa de assalto e morreu em seguida.

“Esperamos que o Estado tenha consciência de que nossa região metropolitana tem quase 2 milhões de habitantes e não pode mais aceitar um policiamento defasado”
Alberto Mourão
frame_mourao
Prefeito Alberto Mourão pediu maior efetivo de policiais para a cidade (Foto: Reprodução/TV Tribuna)
No desabafo pela rede social, Mourão diz “não poder mensurar a dor dessas famílias, que tiveram seus entes queridos arrancados de seu convívio de forma brutal”, e que o policiamento disponibilizado na Operação Verão “não é suficiente”.

O prefeito também destaca diversos serviços realizados pela administração municipal para melhorar a segurança na cidade, como treinamento de novos guardas municipais e a iluminação de vias importantes.

No texto, publicado na segunda-feira (28) e compartilhado por mais de 700 usuários, o chefe do Executivo também cita problemas como a saída de presos durante os feriados de Natal e Réveillon e a política de drogas aplicada no País, que, segundo Mourão, “não é eficaz”.

No final da publicação, o prefeito, que é do mesmo partido do governador Geraldo Alckmin, questiona as diversas solicitações feitas ao Estado para o aumento do policiamento. “Esperamos que o Estado tenha consciência de que nossa região metropolitana tem quase 2 milhões de habitantes e não pode mais aceitar um policiamento defasado”, conclui.

O G1 entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública, que afirmou que o patrulhamento em Praia Grande é suficiente para o período fora de temporada, ao contrário do que foi informado pelo prefeito Alberto Mourão.

Outro episódio
Não é a primeira vez que o prefeito de Praia Grande cobra mais policiamento por parte do Estado. Em agosto, após um cinegrafista amador flagrar uma tentativa de assalto a turistas na orla, Mourão disse que a situação no município era inadmissível.

“A prefeitura tem feito o que pode. Em janeiro, iremos incorporar mais 100 homens à Guarda Civil Municipal e, com isso, teremos um número maior do que o de PMs. Já foi constatado que a cidade chegou a contar com apenas duas viaturas para as rondas. Essa situação é inadmissível”, desabafou.

À época, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo respondeu informando que o número de roubos na região foi reduzido e o de prisões aumentou no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2014, além de citar o investimento de mais de R$ 6 milhões na compra de 127 viaturas para a Baixada Santista.

Fonte: G1 – Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *