Goiás: Em debate, Raquel diz que “inovação é ter uma professora candidata a vice-governadora”

“Goiás foi o Estado que mais combateu a desigualdade social. Quero, junto com Zé Eliton, ajudar a construir o futuro. Usarei toda a minha capacidade intelectual afetiva e amorosa para trabalhar. Faremos um governo inovador e transformador”, disse a professora Raquel Teixeira, candidata a vice-governadora

 Raquel insinuou a falta de constrangimento dos candidatos a vice Heuler Cruvinel e Lincoln Tejota, em determinados momentos do debate, visto que foram forjados nos governos do Tempo Novo e defendiam até pouco tempo o legado dos governos de Marconi Perillo e Zé Eliton

A professora Raquel Teixeira, candidata a vice-governadora da Coligação Goiás Avança Mais, participou, na manhã desta última quarta-feira (19), de debate entre os candidatos a vice, promovido pela Rádio Sagres.

Estiveram presentes, além de Raquel, o professor Nivaldo (PCdoB) candidato a vice-governador na chapa de Kátia Maria (PT), o deputado federal Heuler Cruvinel (PP), candidato a vice de Daniel Vilela (MDB), e Lincoln Tejota (PROS), candidato a vice na chapa de Ronaldo Caiado (DEM).

A candidata a vice da coligação Goiás Avança Mais mostrou conhecimento e equilíbrio, para defender o legado dos governos de Marconi e Zé Eliton e propor avanços em todas as áreas. Com a experiência de uma das mais bem avaliadas ex-secretárias de Educação, Cultura, Esporte, Ciência e Tecnologia, Raquel afirmou no debate que a coligação liderada pelo PSDB elaborou um plano de trabalho em conjunto com a sociedade.

“Nos comprometemos a garantir as conquistas dos avanços feitos nos últimos anos. Daremos todos os passos necessários para continuar avançando, preparando o desenvolvimento das novas gerações”, declarou.

Raquel disse que Zé Eliton tem compromisso com o controle fiscal e com a prestação eficiente de serviço. “Nossos projetos – salientou – focam o ser humano”.

Declarou que a coligação está comprometida com a sustentabilidade, com a geração de emprego e renda e com qualidade de vida. “Estamos completamente sintonizados com o mundo moderno, que entende que homens e mulheres devem participar igualmente das decisões, dos comandos de todas as ações”, sublinhou.

A candidata Raquel garantiu que Zé Eliton dará sequência a “uma gestão municipalista, transparente, republicana” e acredita que a política só tem sentido se for para cuidar das pessoas.

Os avanços alcançados por Goiás na educação estiveram na pauta do debate. Raquel reiterou que “Goiás foi o único Estado no Brasil que atingiu todas as metas de aprendizagem estabelecidas pelo IDEB”, daí o porquê da conquista do primeiro lugar no índice, “o que mostra que nossos alunos aprenderam, os professores estão preparados, o material didático oferecido foi de qualidade”.

A desburocratização dos serviços públicos ganhou destaque no debate entre a professora Raquel e o candidato a vice de Daniel Vilela (MDB), deputado Heuler Cruvinel. A candidata do PSDB disse que a burocracia é um problema do Brasil, “tanto que foi criado o Ministério da Desburocratização para tentar desbloquear alguns setores”.

Ela disse que os governos de Zé Eliton e Marconi Perillo deram agilidade nas providências, visando a desburocratização da máquina pública. “Hoje se registra uma empresa em tempo recorde, garantiu, ao destacar as parcerias firmadas pelo governo com o setor produtivo, visando atrair investimentos. “O nosso governo industrializou o Estado, foi parceiro do setor produtivo e o Fórum Empresarial é um parceiro dos nossos governos. Desde sempre todas as medidas nessa área são tomadas em acordo, em diálogo, em concordância com o Fórum Empresarial”, destacou.

A candidata também abordou o aumento de casos de feminicídio em Goiás. Para ela, a questão é cultural e não só de segurança. “Temos uma cultura machista. A crise econômica também aumenta a violência contra a mulher. A humilhação que o homem recebe do patrão, desconta na mulher. Nada disso se justificativa”, entende.

A candidata informou que o plano de governo de Zé Eliton prevê a criação do “Goiás por Elas”, um programa voltado a ações Integradas de prevenção e de punição. No geral, Raquel afirmou que os índices de criminalidade têm caído graças à ação do governo. E citou como exemplo a patrulha dos terminais de ônibus que reduziu em 80% os assaltos a mulheres, crianças e idosos e os furtos de celulares.

Ela mencionou também as Patrulhas Rurais, que levaram mais segurança ao campo. “Todas as medidas que têm que ser tomadas estão sendo tomadas com rigor”, garantiu. E completou: “A Polícia Militar de Goiás é a segunda mais bem paga do Brasil e os equipamentos são modernos. Portanto, estamos avançando no combate à violência”.

O avanço tecnológico alcançado pelo Estado nos últimos anos também foi destacado pela candidata a vice-governadora do PSDB. “Política de ciência e tecnologia é mais do que conectividade e ações pontuais” advertiu Raquel, ao defender investimento em pesquisas Integradas, hubstecnológicos e incubadoras de empresas. “O nosso governo tem trabalhado nesta direção. Só não vê quem não quer”, desafiou.

Ela ensina que o Século 21 usa a inteligência artificial, o que tem alterado profundamente o perfil das profissões tradicionais. “A robotização está alterando o emprego nas indústrias, o próprio comércio eletrônico está acabando com o comércio varejista nas lojas físicas”, completou.

Raquel defendeu a saúde pública estadual, ao lembrar que mais de 90% dos usuários aprovam o atendimento dos hospitais de urgência geridos por Organizações Sociais. Também enalteceu as ações sociais do governo, “na medida em que dispomos de políticas de inclusão, como a qualificação profissional, educação básica e ensino superior de qualidade”.

Em suas considerações finais, a candidata a vice-governadora da coligação Goiás Avança Mais disse que o eleitor que acompanhou o debate “deve ter ficado um pouco frustrado com a política ao ver os deputados Lincoln Tejota e Heuler Cruvinel criticarem contundentemente um governo que apoiaram até há pouco tempo, visto que foram forjados na construção dos governos do Tempo Novo”.

Diferente dos adversários, Raquel disse reconhecer as falhas, as fragilidades e os avanços que Goiás ainda precisa conquistar. “Mas eu tenho orgulho do Estado em que moro, das escolas que temos (que preparam os nossos estudantes para a universidade), das políticas de fomento cultural e esportivo, das políticas de ciência e tecnologia e da Fapeg”.

“Goiás – prosseguiu – foi o Estado que mais combateu a desigualdade social. Quero, junto com Zé Eliton, ajudar a construir o futuro. Usarei toda a minha capacidade intelectual afetiva e amorosa para trabalhar. Faremos um governo inovador e transformador”.

Mais do que ter uma mulher candidata a vice-governadora, a inovação nesta campanha, segundo Raquel, é ter uma professora vice-governadora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *