Goiás: Parceria com Agopa investe na formação de professores da rede pública

Apoiar a educação pública. Este é o objetivo da mais nova parceria da Associação Goiana de Produtores de Algodão (Agopa), com o Instituto Total, dentro do rol das ações sociais e de sustentabilidade que a Agopa incentiva. A parceria tem como objetivo investir na formação continuada de professores da Escola Municipal Ageu Paim Hoffman, na zona rural de Cristalina-GO, no Entorno do Distrito Federal.

Presidente executivo do Instituto Total, Cleineilton de Araújo Borges explica que este é o segundo ano do projeto, que começou em 2017 com uma parceria entre o Instituto e a Associação dos Produtores do Vale do Pamplona (Aprovale), em Cristalina. Por meio do uso das melhores práticas de ensino, os professores foram sendo capacitados e estimulados, o que começou a gerar resultados dentro e fora da escola.

Em um ano de trabalho, a capacitação e motivação dos professores tornaram os alunos mais interessados e participativos nas aulas, reverteu o quadro de evasão escolar e atraiu alunos de outras escolas e municípios. O resultado ultrapassou as paredes das salas de aula e chegou às famílias dos alunos, mais estimuladas com a educação dos filhos, e aos produtores da Aprovale, cada vez mais envolvidos com o projeto. Parceiro Executor do Instituto, Josebene de Moura Filho aponta dados comprovam: houve aumento de 15% no número de alunos; redução de 17% nas faltas; e média de 90.5% de alunos com notas azuis. Houve ainda melhoria de 50% no ambiente de trabalho e 25% no comportamento dos alunos, conforme dados do Relatório ISP 2018.

Para o presidente da Agopa, Carlos Alberto Moresco, esta parceria da Aprovale com o Instituto Total já contava com dois produtores de algodão, quando a Agopa achou por bem investir na escola, visto que os filhos de vários funcionários das fazendas estudam lá. Para ele, o Instituto Total mostrou seriedade na condução dessas boas práticas, estudadas na Inglaterra e nos Estados Unidos, que mostram que o treinamento nos professores tem resultado no desenvolvimento dos alunos. “O investimento nos professores teve resultados nos alunos, que no futuro poderão caminhar com a agricultura, ou com quaisquer outros setores da economia. A Agopa entra nesse espectro, visto que 30% do algodão plantado em Goiás está na nossa região. A esperança é que possamos ampliar essa experiência a outras cidades”, afirma.

Moresco destaca que, no município de Cristalina, a Secretaria municipal de Educação está satisfeita com o resultado do projeto e vai replicar a iniciativa a todas as escolas da rede municipal. “Estamos aportando recursos e incentivando a melhoria da educação pública. A Agopa reconhece seu papel como ator social e busca, por meio de iniciativas como a parceria com o Instituto Total, contribuir para a formação de uma sociedade mais justa”, comenta.

O Instituto

O Instituto Total busca investimentos privados para aplicar em projetos de sustentabilidade que atendam a, pelo menos, três de quatro vieses: social, econômico, ambiental ou cultural. O trabalho em Cristalina propõe durar três anos, dentro de um formato conhecido como “Apto”. Neste período, trabalha-se a ressignificação do processo de desenvolvimento profissional contínuo por meio de encontros mensais com os gestores, professores e equipe escolar durante um ano. A objetivação e ancoragem é outro foco, que consiste na classificação e reorganização da metodologia APTO na escola escolhida por meio de consultoria particular com os gestores, professores e equipe escolar durante um ano. Outra vertente é o empoderamento: a revitalização da proposta político pedagógica da escola para autonomia dos processos internos e de busca constante de ressignificações por meio de uma gestão compartilhada.

Por Brenno Sarques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *