Paraíba: Governo celebra Dia da Consciência Negra com feira intercultural em João Pessoa

O Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (SEDH), celebrou no último 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, com uma feira de serviços no Centro de João Pessoa. O evento contou com outras secretarias estaduais e representantes dos movimentos sociais, entre eles o Ateliê Multicultural Elioenai Gomes.

A Feira, que também integra a programação do Novembro Negro, levou para o Ponto de Cem Réis o artesanato dos empreendimentos da economia solidária do Centro Público Eco Paraíba e articulou a participação do quilombo Os Rufinos, da cidade de Pombal, com a Feira Quilombola. Serviços de saúde, espaços para denúncia, distribuição de materiais educativos, apresentações culturais, rodas de diálogos, capoeira e exposições artísticas movimentaram o espaço, durante todo o dia.

A secretária de Estado do Desenvolvimento Humano, Gilvaneide Nunes, enfatizou que “o evento foi um dia diferenciado e deu visibilidade ao povo negro e aos movimentos sociais, que se soma às ações e serviços da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano, no sentido de fortalecer a população e enfrentar o racismo”.

A escolha do Ponto de Cem Réis tem um significado. “Nós temos um roteiro negro nessa história que é a cidade de João Pessoa. A terceira cidade mais antiga do pais. Sabemos que todos esses prédios barrocos, os paralelepípedos lapidados foram feitos por mãos escravas e essas mãos escravas é o povo negro”, lembra o artista plástico Elioenai Gomes.

Sobre a ampliação do evento, o fundador do Ateliê Multicultural Elioenai Gomes ainda destaca: “Nós nos sentimos acolhidos nesses tempos sombrios, recebemos o suporte das parcerias que hoje dividem o espaço conosco. Somar com a Secretaria de Desenvolvimento Humano, com o Ministério Público, com outros movimentos sociais é gratificante. Cada tenda dessas são pessoa e eu abraço e me alegro com a estratégia e a visão sagaz desses parceiros ao desejarem somar”, completa.

A programação foi encerrada com um desfile de Mulheres Negras intitulado: Minha cor é resistência, seguido da apresentação do Auto dos Orixás, do Ateliê Multicultural Elionai Gomes. O espetáculo deste ano trouxe o tema “Celebrando o amor entre os seres”.

O dia 20 de novembro – ficou marcado como Dia da Consciência Negra, já no início da década de 1970 com Oliveira Silveira, poeta e pesquisador gaúcho, do Grupo Palmares. A data, que já havia sido abraçada por todo o Movimento Negro, foi instituída em âmbito nacional, com a lei nº 12.519, de 2011 e lembra a morte do líder negro Zumbi dos Palmares. É um dia simbólico dedicado à sensibilização, politização e combate ao racismo e a exclusão ainda sofrida pelo negro na sociedade brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *