São Paulo: em Praia Grande, evento destaca cuidados com bebês na UTI Neonatal do Hospital Irmã Dulce

Abordagem incluiu protocolos e técnicas que protegem os recém-nascidos

Um treinamento com profissionais de saúde abordou todos cuidados necessários aos bebês prematuros e recém-nascidos internados na UTI Neonatal, no Hospital Municipal Irmã Dulce, na última quarta-feira (14). Além da importância da amamentação e da atenção aos procedimentos na unidade, as equipes debateram estratégias que visam capacitar mães para que possam dar prosseguimento ao atendimento em casa, após a alta hospitalar.

O Método Canguru (técnica em que o bebê fica pele a pele com a mãe) e os benefícios da amamentação foram alguns dos assuntos expostos por auxiliares de enfermagem, que atuam na assistência às mães. Conforme a auxiliar de enfermagem Mayara Rodrigues, quando o bebê tem alta médica, é comum algumas mães ficarem desorientadas sobre como agir. “Algumas se sentem incapazes de cuidar do filho. O que nós fazemos é demonstrar que é possível prosseguir com o cuidado do bebê em casa”, disse.

A dificuldade para ordenha (como retirar o leite quando o bebê não consegue pegar o peito) foi outro aspecto abordado pela também auxiliar de enfermagem, Liliane Novais, que ainda destacou os riscos que os bebês correm quando o leite é substituído por leite industrializado. “Durante a internação, nossa orientação às mães é ressaltar a importância do leite materno para a continuidade do tratamento e melhora do bebê, falando ainda sobre os riscos que a criança corre quando não recebe as propriedades presentes no leite materno”, destacou.

A médica pediatra com especialização em Neonatologia, Marilene Kiskissian Martins comentou as ações e os protocolos médicos que precisam ser rigorosamente respeitados para assegurar a eficácia do atendimento. “Entre os temas salientados, falamos do projeto Coala, cuja definição é: Controlando Oxigênio Alvo Ativamente e que tem como finalidade proteger os bebês da falta e/ou excesso de oxigênio ofertado”, observou.

A também médica pediatra com a mesma especialização, Daniela Gabbia, enfatizou a necessidade da conscientização de todos os profissionais para o tema. “O excesso ou a falta de oxigênio pode acarretar danos irreversíveis ao recém-nascido”, advertiu.

Os demais protocolos e rotina do atendimento foram debatidos pelo enfermeiro Manuel dos Santos, que mereceu um agradecimento especial no evento por sua ilibada atuação no setor.
A capacitação foi organizada pela enfermeira Fabiana Dourado, responsável pelo setor de Educação Continuada do Complexo Hospitalar Irmã Dulce, sob coordenação da diretora de enfermagem, Renata Meroti. O evento ainda contou com as participações da enfermeira Fernanda Silva Queiros Mendes – coordenadora do Setor Pediátrico, e da enfermeira Erica Bargas Neves Agrela, coordenadora da UTI Neonatal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *