O programa “Todas as Coisas” sobre os perigos da internet para crianças e jovens vai ar nesta segunda-feira, 25

Que a internet veio para  revolucionar a comunicação de um modo geral todo mundo já sabe. Milhões e milhões de pessoas estão online nesse exato momento e são  muitas as vantagens que a internet trouxe. Mas, nesse mundo virtual, além desse lado bom, há o ruim também. Nas últimas semanas, os casos de violência, possivelmente inspirados em vídeogames ou em sites que recrutam pessoas para práticas terroristas, resultaram no massacre  de estudantes e de professores de uma  escola  de Suzano, no interior de São Paulo e nos assassinatos de cerca de  50 pessoas dentro de uma mesquita na Nova Zelândia. As duas tragédias acenderam o debate sobre os perigos da internet,  principalmente quando se trata do acesso sem controle, feito  por crianças, adolescentes e jovens. Mais de 24 milhões de crianças e adolescentes têm acesso à internet no  Brasil e 77% deles assistem a vídeos online, segundo dados do Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Nesses últimos meses, também apareceu  mais uma preocupação para assombrar pais mundo afora, que tem filhos  internautas. São os relatos sobre a boneca MOMO, que dizem aparecer durante vídeos infantis do YouTube Kids e que incentiva os menores a cometer atrocidades. De qualquer forma, esse assunto sobre os perigos da internet é muito importante para as famílias, visando alertá-las, para que monitorem mais o uso da rede mundial de computadores, e sobretudo, conversem mais com os filhos, num diálogo aberto e acolhedor sobre o uso responsável e seguro da internet.

E é pensando assim, que o Programa Todas as Coisas desta segunda feira, 25 de março, vai falar sobre o assunto. No estúdio, as jornalistas Susete Amâncio e Darmélia Barbosa vão receber ao vivo a fonoaudióloga Patrícia Pimenta Faleiros, mãe de duas crianças, o professor  de Segurança da Informação do IFG Fernando Tsukahara e a psicóloga clínica Ana Carolina Ribeiro. E você, telespectador, pode participar do bate-papo com mensagens e perguntas pelo WhatsApp (62) 9 9673 4567. É ao vivo a partir das 19 horas na TV Brasil Central.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *