Priscilla Tejota quer apuração de denúncias relacionadas à falta de atendimento na Saúde em Goiânia

A vereadora Priscilla Tejota (PSD), presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Goiânia, apresentou na sessão da última terça-feira (2) um requerimento à presidência da Casa solicitando ao Ministério Público de Goiás (MP-GO) uma reunião com os conselheiros tutelares, funcionários do Centro de Atenção Integrada à Saúde (Cais) de Campinas, sindicatos da área e os membros da comissão a fim de apurar denúncias relacionadas à precariedade no atendimento da saúde pública da capital.

“Nós temos, em Goiânia, uma situação caótica, com apenas um atendimento emergencial no Cais de Campinas. Eu recebo diversas denúncias, videos, recebi o relato de um pai que levou seu filho passando mal, amarrado numa bicicleta para não cair, e quando chegou no Cais não conseguiu atendimento por falta de médico”, revelou a vereadora.

O pedido foi feito durante a presença da secretária da Saúde municipal, Fátima Mrué, convocada pela Câmara para explicar a falta de pediatras nos Cais de Goiânia, unidade de saúde de  responsabilidade da Prefeitura.

“O que a secretária de Saúde está fazendo é desumano, fechando unidades. O Cais do Jardim América foi fechado para reforma há quase dois anos e até hoje sem nenhuma previsão para a conclusão da obra”, expressou.

Priscilla Tejota apontou como responsável pela situação de crise na saúde a prefeitura de Goiânia. “Infelizmente o culpado é o prefeito Iris Rezende, que não atende nossas solicitações. Nós estamos, através da comissão de saúde, fazendo um levantamento de PSFs que estão abertos, mas não têm médicos para atender. O Cais do Guanabara está sobrecarregado porque os três PSFs da região não tem profissionais. Você tem o gasto para manter um PSF que não funciona. Tudo isso é uma questão de má gestão. Eu culpo o prefeito Iris Rezende por isso, a única pessoa que pode tomar uma posição diferente”, afirmou. “Os responsáveis pela má gestão da saúde em Goiânia é que devem ser punidos e não a população”, completou.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *