Vaquejada é regulamentada na Câmara

“A intenção é regulamentar o bem-estar animal nesses eventos, como a obrigatoriedade de médico veterinário, juiz, tamanho mínimo de curral para evitar o confinamento” disse Efraim Filho – DEM (PB)

A Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira (20) o projeto de lei que regulamenta as vaquejadas, o rodeio e o laço no Brasil (PL 8240/17). A medida define que essas modalidades passam a ser reconhecidas como esportivas, equestres e tradicionais.

Na lista estão, entre outras, o adestramento, o concurso completo de equitação, o enduro, o hipismo rural, as provas de laço e velocidade, a cavalgada, a cavalhada, o concurso de marcha, a corrida, as provas de rodeio e o polo equestre. A proposta segue para sanção presidencial.

O deputado Efraim Filho (PB), defensor da vaquejada há anos, também se manifestou a favor dessa atividade cultural e ressaltou o cuidado com os animais envolvidos. “A intenção é regulamentar o bem-estar animal nesses eventos, como a obrigatoriedade de médico veterinário, juiz, tamanho mínimo de curral para evitar o confinamento”, disse ele.

Paulo Azi (BA), que ponderou que teve a satisfação de relatar a PEC que instituiu as vaquejadas como patrimônio imaterial, afirmou que a prática é uma atividade esportiva. “É uma atividade econômica, uma atividade que gera milhares de empregos para centenas de municípios do Norte e do Nordeste do País”.

O deputado Geninho Zuliani (SP) comentou a experiência dele com tais atividades, destacando também o trato adequado com os animais: “sou testemunha, como criador de cavalos e participante de rodeios, da qualidade no trato com os animais”.

“As modalidades passam a ser reconhecidas como esportivas, equestres e tradicionais e vale lembrar que a emenda constitucional 96, regulamenta a prática por uma lei específica, que assegura o bem-estar dos animais envolvidos”, destacou o deputado Zé Mário (GO).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *