13ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, ineditamente, em formato virtual. De 27 de agosto a 27 de setembro

A 13ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, acontecerá de forma virtual, respeitando todas as medidas propostas pela OMS. Ao longo dos últimos 13 anos, o evento inter-religioso se consolidou no Brasil, e principalmente na cidade do Rio de Janeiro, como uma das ações mais pontuais em defesa da liberdade religiosa e o Estado laico. Essa edição, faz abertura no dia 27 de agosto e segue até 27 de setembro, abordando diversos temascom a participação de representantes de diferentes segmentos religiososem 13 dias de lives, alusivaos 13 anos de Caminhada.
“Mesmo com todas as questões e situações ocasionadas pela pandemia, e diante da intolerância religiosa que cresceu significativamente nesses últimos meses, não podemos nos calar. O evento é uma das formas de chamar atenção das autoridades públicas para os descasos diantes desses crimes”, atesta o Prof. Dr. Babalawô Ivanir do Santos. 

Surgida em 2008, após os episódios de intolerância religiosa no Morro do Dendê (Ilha), onde adeptos das religiões de matrizes africanas foram expulsos pelo traficante Fernando Garabu, na época comandava o tráfico local. Revelando uma das mais tristes facetas do racismo dentro da sociedade brasileira, a intolerância religiosa sobre os adeptos e praticantes das religiões de matrizes africana. E em busca de construir saídas possíveis, religiosos de diversas denominações se uniram, fundaram a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) que busca construir debates possíveis para a construção da equidade religiosa. A comissão é a única no mundo a reunir diversos tipos de credos em uma manifestação. Agora mais do nunca, mostra que, independente de crenças, todos são iguais. Representantes do candomblé, umbanda, católicos, budistas, muçulmanos, judeus, wiccanos, hare krishnas, ciganos, mórmons e bases evangélicas fazem parte da comissão.
 
E é através da CCIR, que tem como interlocutor o Prof. Dr. Babablawô Ivanir dos Santos, e em parceria com o CEAP, que executam anualmente a Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa. Tradicionalmente realizam no 3º domingo do mês de setembro, no Posto 6, na Orla de Copacabana. Entretanto, diante da pandemia do COVID-19, as atividades se enquadram em outro escopo, em formato virtual em lives.
 
As Lives ganham participação de religiosos, terão como eixo nos debates a importância da promoção do estado laico e da liberdade religiosa. Serão ao vivo, com  transmissões realizadas na página: https://www.facebook.com/ceap.rj e compartilhadas na https://www.facebook.com/CaminhadaemDefesadaLiberdadeReligiosa. Ao longo do evento, será informado nas redes os nomes dos participantes.
 
Data – 27 de Agosto – 19h – ABERTURA
Tema: Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa: Balanço de 13 anos e perspectivas
Live com religiosos que participaram da articulação para a construção da 1ª Caminhada após os episódios do Morro do Dendê, em 2008.
Com Ivanir dos Santos – Prof. Dr. Babalawô, Fátima Damas – Congregação Espírita Umbandista do Brasil (CEUB)Marilena Mattos – Dirigente espiritual da Casa de Cláudia e Vice-presidente do Movimento Umbanda Do Amanhã (MUDA)Diane Kuperman – Jornalista e Conselheira da Associação Religiosa IsraelitaJorge Mattoso – Comitê de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR)Graça Nascimento – Movimento Inter-Religioso (MIR)Marcos Amaral – (Igreja Presbiteriana de Jacarepaguá)Og Sperle – União Wicca do BrasilFrei Tatá – integrante da Pastoral Afro da Igreja Católica e Coronel Ubiratan.
 
Data – 30 de Agosto
Tema: O Lugar do Idoso – Fardo ou Porto Seguro?

Data – 1 de Setembro
Tema: Saúde e Sacralidade da Vida

Data – 3 de Setembro
Tema: O Papel das Religiões na Construção do Novo Normal

Data – 6 de Setembro
Tema: Intolerância e Racismo Religioso

Data – 8 de Setembro
Tema: Política, Religião e Democracia

Data – 10 de Setembro
Tema: Intolerância religiosa e racismo na infância

Data – 13 de Setembro
Tema: Intolerância Religiosa no Século XXI: Desafios da contemporaneidade

Data – 15 de Setembro
Tema: O Lugar da Mulher nos Diversos Credos

Data – 17 de Setembro
Tema: Rituais Religiosos e Liberdade de Crença

Data – 20 de Setembro

Tema: Terra – Útero ou Santuário?

Data – 2ª quinzena de setembro – Webinário: 13 anos Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa: O que mudou?

O Webinário será realizado com 3 mesas temáticas. Cada mesa será composta por até 3 convidados e um mediador. Para participar do Webinário, com inscrição através do link que será disponibilizado nas redes sociais da pagina “Liberdade Religiosa” e do “Centro de Articulação de Populações Marcializadas, a partir do dia 15 de setembro. 

Cronograma:
Mesa 1 – 9h30 às 11h30
Tema: História e Memória da Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa
Mesa 2 – 14h às 16h
Tema: Direitos, Democracia, Estado Laico
Mesa 3 – 18h às 20h
Tema: Liberdade Religiosa em Tempos de Pandemia.

Data 27 de setembro – Live 13ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa
Contará com a produção executiva Cely Leal, transmitida oficialmente ao vivo pelas redes sociais do Centro de Articulação de Populações Marginalizada (CEAP) e pelo facebook da página “Liberdade Religiosa”. Reforço de 2 âncoras, atrações musicais, participação ao vivo de lideranças religiosas, ativistas sociais e defensores públicos, transmissão de vídeos (previamente gravados, com mensagens de religiosos, artistas e figuras públicas), em prol da liberdade religiosa, tolerância da equidade religiosa.
 
A violência provocada pela intolerância somente até setembro de 2019 – resultou com 176 terreiros, que “tiveram” suas portas fechadas. O quadro se agravou após ataques ou ameaças de traficantes, no Rio.De acordo com a comissão, o número pode ser muito maior. Isso se considerar que, em muitos casos, os boletins de ocorrência não são realizados, justamente em decorrência do risco de vida.A maioria tem medo de registrar. A CCIR recebeu em torno de 201 casos em 2019 – entre agressões e ameaças. Comparados ao ano anterior (2018) houve um aumento de quase 100% – com em torno de 92 casos, com denúncias recebidas. Dessas 201 denúncias em todo o Estado do Rio35% são referentes da Baixada Fluminense
“Acredito que apesar de todas as restrições e medidas de seguranças vamos conseguir atingir os nossos objetivos que é promover o diálogo, a tolerância e equidade religiosa”, acrescenta a sacerdote Ivanir dos Santos
Afinal, o direito à liberdade religiosa é uma conquista, e estamos na luta para garantir este direito.
Por Rozangela Silva – Fotos: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *