Engenheiro dedica parte de seu dia cantando para pacientes internados em hospitais no interior de Goiás

Hercílio Ramos Júnior durante transmissão da live – Foto: Divulgação

Hercílio Ramos Júnior é voluntário no projeto Amor Cantado – Acolhimento Musical, que beneficiou centenas de pacientes

A pandemia da Covid-19 transformou a vida de milhares pessoas ao redor do mundo. O momento de incerteza e vulnerabilidade causado por uma doença ainda sem cura estimula pensamentos negativos e desmotivadores, principalmente para os pacientes que precisam ser internados durante o tratamento.

Pensando na solidão e na dor das pessoas que ficam distante de seus familiares, o engenheiro Hercílio Ramos Júnior, que trabalha com música há mais de 15 anos, aceitou o convite do Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento – IMED para ser o rosto e a voz do projeto de acolhimento musical Amor Cantado.

“A música sempre me acompanhou. Estudei em conservatórios paulistas há mais de 30 anos e nos últimos 15 dedico parte dos meus dias participando de projetos sociais para levar música a quem mais precisa”, conta Ramos.

O engenheiro conta que a motivação para realizar o projeto surgiu depois de ter assistido Tempo de Despertar (1991), do diretor Penny Marshall. O filme foi baseado na autobiografia do médico neurologista Oliver Sacks que usava a música para o tratamento dos pacientes. “Esse filme mexeu comigo e comecei a fazer pesquisas e entrar em contato com psicólogos e fonoaudiólogos para iniciar o projeto que executo nesses últimos anos”, explica.

Solidariedade

Desde o início da pandemia Hercílio Ramos Júnior coordena o projeto Canta para mimdestinado, principalmente, às casas de repouso. Nas redes sociais, ele se disponibiliza a cantar as músicas escolhidas pela audiência para que as pessoas se sintam acolhidas durante o período de isolamento social.

Em agosto, ele assumiu o comanda das lives Amor Cantado, que são transmitidas simultaneamente para o Hospital de Urgências de Trindade (Hutrin) e Hospital Regional de Luziânia (HRL) todas as quartas-feiras, às 15h. “A música traz vitalidade, conforto e bem-estar. É muitíssimo importante sairmos da rotina. O equilíbrio é fundamental. A descontração é um alívio para o corpo e para a mente e um fator importante para a recuperação de energia”, explica Ramos.

“A iniciativa é muito importante para nós e para os nossos pacientes. Nos enche de orgulho proporcionar um pouco de harmonia e descontração para as pessoas que estão há dias sem contato com a família. Isso ajuda muito no processo de recuperação”, conta Éder Souza, gerente administrativo do HRL.

Com quase dois meses no ar, o projeto de acolhimento musical do Imed, que está em sua 9ª edição, já soma mais de 1.350 visualizações no Youtube. São centenas de pacientes dos dois hospitais beneficiados pelo poder da música. “É uma honra participar desse projeto que leva amor, carinho e atenção para os pacientes e profissionais da saúde do Hutrin e do HRL”, finaliza Ramos.

As fotos e os vídeos do projeto podem ser acessados através deste link.

Sobre o HUTRIN

O HUTRIN (Hospital Estadual de Urgências de Trindade Walda Ferreira dos Santos) é uma unidade de assistência, ensino e pesquisa, que integra a Rede Estadual de Hospitais de Urgências e Emergências do Estado de Goiás (Rede HUGO). O Hospital tem 48 leitos, sendo oito de UTI, perfil assistencial voltado para baixa e média complexidade em clínica obstétrica, clínica cirúrgica e clínica médica e clínica ortopédica sendo referência para Trindade, onde está localizado, e as cidades vizinhas.

Desde o dia 25 de agosto de 2019, o HUTRIN encontra-se sob a gestão do Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento – IMED, uma Organização Social (OS) que se destaca pela prestação de serviços e desenvolvimento de projetos que proporcionem bem-estar, saúde, cidadania e dignidade às pessoas. O IMED administra o HUTRIN para que ele funcione com qualidade 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Sobre HRL

O Hospital Regional de Luziânia (HRL) começou a receber os primeiros pacientes com sintomas de Covid-19 no dia 20 de maio de 2020. Vieram transferidos pela central estadual de regulação de vagas do Estado de Goiás. Os leitos são ocupados gradualmente, a partir da avaliação diária e conjunta da direção com a Secretaria Estadual de Saúde.

Estadualizado, após passar oito anos em obras, o HRL foi o primeiro hospital do entorno do Distrito Federal dedicado a tratar pacientes com sintomas respiratórios agudos causados pelo novo coronavírus. Cerca de 1,2 milhão de pessoas, que moram na região, são beneficiadas pelo Hospital Regional de Luziânia.

Assessoria de Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *