Hospital de Base mantém ritmo de exames diagnósticos em plena pandemia

Em tempos de covid-19, Núcleo de Citopatologia e Anatomia Patológica contabiliza mais de 20 mil procedimentos  

Mesmo diante da pandemia do coronavírus, o Hospital de Base (HBDF) vem conseguindo manter estável o volume de exames realizados pelo  Núcleo de Citopatologia e Anatomia Patológica (Nucan).  Entre janeiro de 2017 e 17 de setembro de 2021, foram compatibilizados 53.539 exames, dos quais 20.276 ocorreram em plena pandemia, segundo informou nesta quinta-feira (23) a chefe do Nucan, Sandra Mendes Coutinho.

O Nucan, conforme explicou a médica, é o setor responsável pela realização de exames que identificam e classificam doenças inflamatórias e infecciosas, além de tumores benignos ou malignos, participando também da captação de órgãos. Esses exames fornecem subsídios aos demais médicos assistentes para definir o tratamento a ser dado ao paciente. Entre os procedimentos realizados estão: biópsias, exames de congelação e citologia.

Ao dar esses esclarecimentos, Sandra Coutinho mostrou a evolução dos números do Nucan. Em 2017, quando foi criado o Instituto Hospital de Base, o Nucan realizou 9.658 exames. Em 2019, com a criação do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (IGESDF), que passou a administrar o Hospital de Base (HBDF), o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e mais seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAS), esse número saltou para 12.798 exames, o maior patamar alcançado pelo Nucan.

Em 2020, no primeiro ano da pandemia no Brasil, o número de exames caiu para 11.617, diferença de apenas 1.181, em relação ao ano anterior. O volume de exames já está se recuperando, em 2021. Até a terceira semana de setembro foram feitos 8.659 exames, 74% do total de exames realizados, no ano passado.

A contratação de novos profissionais de saúde e compra de insumos pelo IGESDF foi um dos fatores que contribuíram para elevar o número de exames, segundo Sandra Coutinho.

Profissionais em ação 24 horas 

O Nucan funciona 24 horas e conta com uma equipe de 34 profissionais de saúde, entre médicos patologistas e citologistas, residentes, técnicos de necropsia e de laboratório, além do pessoal administrativo. Destaca-se ainda o Programa de Residência Médica com duração de três anos, sendo um centro de formação de especialistas que, a cada ano, forma três médicos anatomopatologistas.

Esses profissionais trabalham processando as amostras coletadas pelos médicos assistentes que integram as equipes das unidades de internação e ambulatório do HB. “Após a elaboração dos laudos pelo médico patologista é possível identificar o melhor tipo de tratamento para os pacientes”, explica Sandra.

O trabalho do Nucan

Todo o trabalho realizado no Nucan é feito por meio de processos definidos e rigorosos. Assim que as amostras chegam ao laboratório, o patologista realiza um cuidadoso exame macroscópico do material e retira fragmentos das áreas mais representativas. Em seguida, após o processamento das amostras, são confeccionadas as lâminas, que são coradas e analisadas ao microscópio.

“A partir daí, o profissional examina as células do tecido e pelo conjunto de alterações detectadas elabora o laudo, definindo a natureza do processo”, explica a chefe do Nucan, que chama a atenção para a importância do serviço, na área da saúde: “a anatomia patológica representa o futuro da medicina com os avanços tecnológicos e a integração de todos os profissionais, envolvidos no processo de diagnóstico do paciente”.

ANO  EXAMES 
2017 9.658
2018 9.807
2019 12.798
2020 11.617
2021 8.659

Fonte: Núcleo de Citopatologia e Anatomia Patológica do Hospital de Base

 

Texto: Thaís Umbelino – Fotos: Davidyson Damasceno

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *